terça-feira, 12 de maio de 2009

Íntimo Desespero

Em meu íntimo desespero,
afogo-me em seus pêlos,cabelos!
Oh! Doces olhos caídos.

Vá!...Busque mais uma dose,
beberemos nossa amargura,
nosso ódio,
nossa dor.
Não se desespere, foi só esta noite,
nos perdemos entre pernas e lençois,
entre olhares, olhares...
Dedos aflitos,
libertos.
Noite suja.
Noite intensa, d'onde finitos beijos me sufocavam.

Vê?!? O sol já nos possuí,
acenda seu cigarro e queime a noite em uma tragada,
uma fumaça...
Uma noite que se apaga.

David de Oliveira.

6 comentários:

  1. estarei p aki,,,continue...:)


    boas imagens...

    ResponderExcluir
  2. Ruimar

    Oia o creuso agora tem um blog ele vai poder falar um monte de coisas, para as pessoas lerem e quem sabe ate colocar aqui suas poesias kkkkk

    ResponderExcluir
  3. Nao poderia deixar de escrever nesse tao sonhado filho que vc gerou com a maior e singela paciencia e deticação.
    Parabens! Que posssamos brindar de seus textos como o mais requinte cálice. Um abraço!

    ResponderExcluir
  4. Só posso dizer que é
    Desesperadamente.... perfeito!

    ___
    Adorei este último! vou sempre passar por aqui!

    ResponderExcluir
  5. Maraaaaa amei amigo.. continue...

    ResponderExcluir